Como lidar com os seus medos

menino

 

Essa semana resolvi escrever um texto sobre os nossos medos. Por alguma razão, a vida tem me colocado diante de clientes em cujos mapas o fator medo é significativo.

Há inúmeros aspectos em um mapa astral que diagnosticam que a alma encarnada veio eivada de medos e bloqueios. Na maioria dos casos, o planeta Saturno, regente natural de Capricórnio, está envolvido, bem como alguma das casas do subconsciente (Casas IV; VIII ou XII).

Fugindo um pouco dos aspectos técnicos, passo a falar de pontos mais concretos. Na grande maioria dos casos que presencio, o sujeito tem talento e inteligência de sobra, mas a promessa de sucesso de seu mapa tarda a se concretizar plenamente – e às vezes nem sequer se efetiva – justamente porque a lógica do medo é tão forte na pessoa, que ela não se arrisca e fica sempre alguns degraus abaixo de onde poderia estar.

Por outro lado, há outros casos em que o talento ou a inteligência, apesar de presentes, não são tão marcados quanto naqueles mencionados acima, mas a pessoa não atua sob a lógica do medo e chega muito mais longe.

Portanto, muitas vezes nosso comportamento (quiçá inconsciente) nos impede de realizar o destino que está logo ali nos aguardando de braços abertos.

Por trás do medo, em regra, está uma não aceitação da nossa condição humana de vulnerabilidade diante da vida. Somos demasiado vulneráveis e não nos é dado saber ao certo o que exatamente acontecerá a partir dessa ou daquela ação; a nós cabe tão-somente lidar com o resultado e parte de nossa vulnerabilidade reside aí. Temos uma noção geral do resultado, mas sabemos que há fatores alheios ao nosso controle que operam por diversas vias, podendo afetar o desfecho pretendido. Portanto, nosso plano de ação pode, quando muito, traçar probabilidades.

Por sua vez, saber lidar com a nossa vulnerabilidade diante do incerto faz parte do aprendizado do desapego. De fato, o que está em nosso alcance é traçar um bom projeto, fazer o nosso máximo para concretizar cada etapa com excelência e, a partir daí, aceitar a nossa vulnerabilidade e confiar no que vier. Se tudo o que você poderia fazer foi feito e concluído com esmero, então não lhe resta mais nada senão desapegar do resultado e confiar no futuro. Você jamais terá total controle sobre tudo!

Por sua vez, esse exercício de confiança adentra a esfera da Casa XII astrológica, a qual é a última casa do Zodíaco, simbolizada pelo signo de Peixes (água corrente, fluxo que segue independentemente dos obstáculos).

A Casa XII trata de tudo aquilo que nos é ocultado, do destino, da fé e da espiritualidade. Daí é possível perceber que a fé está justamente no território do desconhecido. A certeza a que se dá o nome de fé é inexplicável e não requer nenhuma informação, pois ela incide justamente naquilo que não nos será, jamais, dado conhecer.

E, uma vez que na Casa XII também estamos no território da espiritualidade, temos que esse é o caminho ao desenvolvimento da fé. Por sua vez, o estudo e a prática espiritual (meios de se alcançar a fé) ensinam, antes e acima de tudo, a aceitação de nossa vulnerabilidade, bem como a prática do desapego (já descrito no início deste texto), justamente em virtude dessa mesma vulnerabilidade.

É através dessas lições que desenvolvemos fé na vida e em nós mesmos, a qual, a seu turno, é a ferramenta com a qual se dilui o medo.

Assim é que, mediante uma rotina espiritual e leituras afins, podemos aceitar nossa condição humana, alcançando o desapego em relação a resultados esperados e, então, adquirir fé na vida e em nós mesmos. A partir daí será possível ir dissolvendo a lógica do medo aos poucos e alcançando o seu destino que sempre esteve ali à sua espera.

Por fim, destaco que a psicologia (estudo da alma) é também uma prática espiritual, guiada por profissional habilitado para isso e que também lhe possibilitará o trabalho de aceitação de suas vulnerabilidades e descontrole dos resultados, o qual o levará a desenvolver a fé de que tratei nos parágrafos precedentes.

 

Por Mia Vilela

Mercúrio Retrógrado

Mercúrio é o planeta regente dos signos de Gêmeos e Virgem. Mercúrio está ligado à comunicação, raciocínio lógico, ao intercâmbio de informações, negociações e contratos. É o planeta ligado ao Deus Hermes da mitologia grega.

Algumas vezes por ano, o movimento de Mercúrio, assim como o dos demais planetas, deixa de ser regular, parecendo que o planeta está andando para trás. Nesses momentos, dizemos que o planeta está retrógrado.

Todos os planetas passam por esses períodos, mas talvez apenas o movimento retrógrado de Mercúrio tenha se popularizado.

Esse planeta do movimento e da comunicação ficou retrógrado em 17 de setembro de 2015 e permanecerá assim até 8 de outubro de 2015.

Nesse período, todas as questões ligadas a Mercúrio parecem ficar atrasadas, demoram a dar certo. Portanto, sendo esse o planeta da comunicação, dos contratos e negociações, todas essas questões ficam mais comprometidas nesse período.

Em termos práticos, diálogos são mal interpretados, contratos demoram a ser fechados, reuniões e compromissos são desmarcados em cima da hora.

Portanto, não é um bom momento para fechar negócios, casar, ter conversas importantes, etc.

Note, no entanto, que o impacto disso em cada um depende muito da natureza do planeta Mercúrio no momento de seu nascimento (no mapa astral do sujeito). Por exemplo, uma pessoa que tenha nascido com Mercúrio muito bem posicionado por signo, casa do mapa e aspectos, sentirá menos os impactos de um Mercúrio retrógrado. Igualmente, uma pessoa com um bom Mercúrio no mapa poderia se casar em uma data que o planeta estiver retrógrado sem se preocupar.

Já quem tem um Mercúrio mais tenso no mapa precisa prestar atenção e ter mais cautela nos períodos em que esse planeta estiver retrógrado.