O Sol

Quando dizemos que uma pessoa é do signo de Touro, significa que, no momento de seu nascimento, o Sol transitava pelo signo de Touro. O Sol, juntamente com a Lua são os dois luminares do mapa astral, o primeiro representando o princípio arquétipo masculino e  segundo, o feminino.

Em linhas bem gerais, o posicionamento do Sol por signo e casa do mapa astral (o mapa possui 12 casas), revela o caráter do sujeito, a sua consciência, a sua alma e a suas possibilidades de realização pessoal. Em suma, o Sol representa quem a pessoa realmente é.

No entanto, dizer que um taurino ou um leonino já possuem desenvolvidas em si e atuantes todas as características de seu signo natal não é, necessariamente, correto. O posicionamento do Sol por signo revela, antes de tudo, as potencialidades que o sujeito precisa aprender a desenvolver, a fim de se realizar e viver a sua verdade, que será mais facilmente expressada na área da vida representada pela casa do mapa astral ocupada pelo Sol.

O Sol representa o arquétipo do herói que precisamos ser. Todo herói é sempre um tornar-se herói, pois precisa da próxima ação para se revelar. Assim somos nós, um eterno tornar-se. E, para tanto, há que se romper o cordão umbilical e se aventurar fora da zona de conforto representada pelas necessidades de segurança indicadas pela Lua.

Muitas vezes, o sujeito não consegue expressar o seu Sol, isto é, quem realmente é (a sua verdade), pois encontra barreiras de julgamento e inveja tanto no seio familiar como no mundo. Outras vezes, deixa-se manipular pelos pais, que são sua fonte de proteção e segurança e, depois, os substitui por um emprego de que nem sempre gosta ou um chefe controlador, sempre na busca de segurança, e, assim, nessa busca por aceitação externa e segurança, deixa de se tornar quem realmente é.

O Sol é a nossa individualidade, a nossa possibilidade de contribuição para o mundo. Viver a sua própria verdade exige coragem e risco, mas cada um é dotado das proteções devidas para tanto, representadas pelos aspectos harmônicos que os planetas de seu apa fazem entre si, os quais indicam zonas de fluidez. Através do exercício dessas potencialidades, encontram-se as ferramentas necessárias para auxiliar o Sol a se revelar.

Por sua vez, os momentos em que seremos chamados a sermos nós mesmos (e serão vários ao longo da vida) são identificados nas previsões astrológicas. E, se não atendemos ao chamado, sofremos as consequências, que podem vir na forma de depressão, doença, fracasso, etc.

Todo o mapa é analisado à luz do Sol e cabe ao sujeito aprender a viver a sua verdade e, assim, deixar a sua contribuição no mundo. Afinal, quantos exemplos positivos de pessoas que conseguiram ser elas mesmas não nos admiram e são utilizados como modelos a serem seguidos em palestras, TEDs, etc?

E você, está vivendo o seu Sol ou ainda vive preso na necessidade de agradar os outros e de busca por segurança? Isso está te provocando bem estar ou sentimento de perda de vida, cansaço frequente e/ou tristeza?

A resposta vem por meio do autoconhecimento, sendo a Astrologia uma das inúmeras ferramentas disponíveis para tanto.